segunda-feira, 21 de maio de 2012

Speed Racer - 45 anos

Speed Racer, talvez o mais importante
animê para o público ocidental.
Em todo o mundo, talvez o animê mais importante como ícone da cultura pop seja Speed Racer. Ele nasceu nos mangás em 1966 no roteiro e arte de Tatsuo Yoshida, um dos fundadores do estúdio Tatsunoko Pro, virou animê em 1967 (pela Tatsunoko, claro) e ganhou os EUA e o resto do mundo em 1968, quando seu título original Mach Go Go Go foi adaptado e virou Speed Racer. Dá pra comemorar o "aniversário" de Speed levando em conta três datas, mas escolhi contar o ano de produção do animê como sendo o mais importante, pois lá uma fórmula impecável de aventura televisiva foi desenvolvida. Foi muito além do mangá e mostrou que a animação japonesa podia ser um item de exportação milionário. Sou bastante crítico com relação a adaptações de nomes, mas é inegável que a força do nome Speed Racer foi decisiva pra aceitação no ocidente. Speed foi posterior ao Astro Boy (Tetsuwan Atom, de 1963) de Osamu Tezuka, mas conseguiu uma aceitação muito maior nos EUA por lidar com carros, uma verdadeira paixão americana. Dos EUA para o resto do mundo foi um pulo e o desenho formou gerações de fãs também no Brasil. 
Speed Racer foi um dos meus desenhos animados favoritos de infância e até hoje gosto muito de várias histórias. Quando assistia, não sabia que fora feito no Japão, de tantos nomes adaptados. Mas o sentimento pela série não é só nostalgia, o material tem muita qualidade e criatividade. E se a animação soa muito datada, vale observar como os ângulos de cena são arrojados até hoje. A trilha sonora, direção e variedade nas tramas davam uma dinâmica vibrante. Tudo aquilo, redesenhado e recriado ao estilo do Yamato 2199 poderia conquistar um novo público, que foge de produções antigas por causa do traço. 
O texto definitivo que escrevi sobre Speed Racer foi publicado em 2008, na revista impressa experimental que o portal Omelete lançou. Depois, a mesma matéria foi publicada no site, na seção "Lembra desse?". Lá tem o guia essencial sobre a série, seus personagens e as engenhocas do incrível Mach 5, o carro mais estiloso já criado. 
Na época da matéria, o mercado de HQ no Brasil havia visto somente uma compilação de histórias do mangá original. Isso em 2002 pela Editora Conrad. O mangá original de Speed Racer foi lançado de forma completa (dois volumes) somente em 2009, pela New Pop Editora
Como não tenho nada mais significativo a acrescentar, convido você a ler a matéria no Omelete. 
Depois, se quiser comentar, peço que o faça aqui no espaço desta postagem, ok?

E não deixe de curtir o tema original em japonês, em um belo clipe que achei no YouTube.




Você viu? Um Mach 5 em escala real, trazido ao Brasil pela Warner para promover o lançamento do filme, em 2008. Veja nota e foto no blog do Jornal do Carro do Estadão.



Você sabia? Na Argentina, Speed Racer foi batizado como Meteoro


Speed Racer no Video Show da Globo! 
Uma dica do antenadíssimo leitor DIOberto Souza: Em janeiro, o Video Show da TV Globo homenageou a série e convidou atores de seu elenco estelar para darem depoimentos. Vale uma conferida.

7 comentários:

Bruno Seidel disse...

Lembro que li um texto muito bom sobre Speed Racer no livro Cultura Pop Japonesa, que abordava justamente essa questão da adaptação ocidental. Quanto ao vídeo publicado no post, um belo achado!! Essa abertura é antológica e capaz de emocionar muito marmanjo até os dias de hoje!

Alexandre Nagado disse...

Speed Racer é um clássico incrível. Não havia fórmulas, cada aventura era diferente da outra, não havia corridas ou lutas intermináveis, não havia enrolação. Acho triste quando a única coisa que muitos enxergam hoje seja uma animação "tosca" e perdem a chance de entrar no enredo.

E sem dúvida, é com a música-tema que o fator nostalgia bate forte no peito.

Abraço!!

Anônimo disse...

FERNANDO

aaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
por isso que eu vi no site da comix a edição de colicionador de um box com os mangás do speed racer que é sensacional publicado pela editora newpop
muito bom e eu espero conseguri comprar esses mangáqs no fim de 2012
e parabens ao speed
45 anos de vida e simplesmente um marco na cultura nipoiica em nosso pais
parabens speed racer!!!!!!!!!!

Alexandre Nagado disse...

É isso aí, Fernando. A versão da Conrad é uma compilação. O box da Newpop é que é versão completa.

E Speed Racer é, para o ocidente, muito mais importante do que foi para o Japão. O que não significa que não tenha feito sucesso. Fez, e muito.

Abraço!

DIO disse...

Nagado, para mostrar o impacto que o desenho possui, vale fazer um acréscimo no artigo colocando um link da recente reportagem que a toda-poderosa-rede-Globo (rsrs) fez sobre ele no programa Vídeo Show; em que alguns artistas famosos revelam ser fãs da série...
Acho que vc não deve ter visto (assim como a maioria dos leitores do blog), e vale ver:
http://videoshow.globo.com/VideoShow/Noticias/0,,MUL1677887-16952,00-ATORES+RELEMBRAM+COM+CARINHO+DE+SPEED+RACER+NO+VIDEO+SHOW+EM+SERIE.html

Anônimo disse...

Grande tema (Speed Racer), ótimas matérias (do blog, do Omelete, do Video Show), lembranças que não têm preço!
Difícil é entender que magia havia na animação original que nunca conseguiram repetir nas tentativas posteriores de reviver esse desenho, e muito menos no filme dos irmãos Wachowski. Alguém arrisca uma explicação?

Marcelo

superd7br disse...

Acho que é pelo fato do desenho mostrar uma visão bem romântica do automobilismo, onde o talento do piloto é mais importante do que a máquina. A trama da versão cinematográfica tirou um pouco dessa inocência ao mostrar Speed enfrentando uma quadrilha que manipulava as corridas (eu nem falo do Mach 6 que foi feito pra vender brinquedo!) mas justiça seja feita: a parte que mostra Speed disputando um rali foi a mais fiel ao anime!